Seguidores

terça-feira, 25 de abril de 2017

Realize!



Por Anderson Tomio.

Quando paramos de correr, podemos sentar para descansar, contemplar a beleza do lugar que estamos, lembrar de algumas do passado, mas querer saber como é o caminho depois da curva da estrada nos faz atuantes de nossa própria vida, de nossos próprios dias.

 A vida não é louca e nem nós sejamos loucos, mas aventura-se pode fazer com que descobrimos nosso oásis.

Um lugar novo pra viver,pessoas novas para conviver, um novo trabalho e a experiência da vida só fortalece os braços para novas empreitadas.

 A cada uma delas, vamos construindo nossa fortaleza que na verdade já existe, é você mesmo, mas que estava apenas precisando de uma reforma interior.

 E então, sabe aquele plano de visitar aquela cidade famosa, o de começar o curso no segundo semestre, estão na parte da reforma.

 Sem buscar seus planos a vida não se realizará por sonho.

Atitudes são necessárias!

_________________
Imagem: google

quarta-feira, 15 de março de 2017

Para onde?


Por Anderson Tomio


No lampejo das luzes diante dos olhos
vejo embaçadas as silhuetas e sorrisos,
pessoas que no entardecer vão e vem,
passam e não percebem o espetáculo.
O céu que os cobre cintila de cores e tons
o bege, o laranja, o rosa claro e mesmo a azul,
marcam sua presença no momento que finda.
E as pessoas vão, vem, e o céu ali, sobre suas cabeças
como se estivesse a admirar cada um de seus passos.
Que passos? Para onde estamos caminhando?
O céu com algumas das nuvens que nele viajam,
vão sem destino, e nós que destino temos?
Ah se todo esse céu pudesse saber o que se passa aqui dentro,
e mesmo o que você que passa apressado carrega no peito.
O dia finda, a tarde se vai, e a vida segue a passos apressados
de quem muitas vezes nem sabe onde quer chegar?
Para onde você está indo mesmo?
Já parou sentado ali na praça por meros 5 segundos e se fez
essa pergunta?
Para onde estou indo mesmo?
As nuvens do céu segue o sabor do vento, correm e andam ao rumo
de estações, umas mais quentes ou nem tanto, mas não param.
E você para onde está indo mesmo?
Quais as estações que buscas em momentos que como as nuvens
se deixas levar ao sabor do vento?
Algumas perguntas, mas talvez muitas ou então nenhuma resposta.
Enigmas de nosso caminhar!
E os lampejos, digo o foco de ver adiante, você perdeu?
Sim, é contigo que falo, me teço nas palavras para tocar em você!
Também fico perdido por uns instantes, as vezes por alguns longos instantes,
mas nesse momento é melhor parar.
Não vá onde você não sabe ir, mas deixe-se levar onde o coração quer te levar.
O espetáculo do céu mesclado de cores, agora é cenário, você o ator e o som de seu
coração é a trilha sonora para sua vida.
Sinta-a!
O céu clareia, escurece, e muitas vezes se emociona em lágrimas de chuva,
rega, gera vida e em dias arrasa com tudo e renasce.
Qual sua previsão de tempo para os próximo segundo, o próximo minutos
e o anos que vem a sua frente....
Chuva, sol, céu mesclado de cores, quem é o ator e qual a trilha sonora?
Percebeu que além das forças que regem o universo, há uma que rege você também.
Denomine essa força como quiser, mas não deixe de vive-la!
Agora pare de andar apressado sem saber onde vai, ou então saia do momento de pausa
do banco da praça e busque o rumo de seus sonhos.
Aproveite o entardecer, o amanhecer e mesmo o meio dia, porque para ir além
não há tempo. O tempo é você quem faz, as cores do céu é você quem pinta,
e a trilha sonora da sua vida é você quem escolhe.
Assim como em um espetáculo, há um diretor, mas sua atuação tem que ser brilhante!
Para você o Oscar da vida!

______
imagem:https://www.google.com.br/url?sa=i&rct=j&q=&esrc=s&source=imgres&cd=&cad=rja&uact=8&ved=0ahUKEwjc0_Ca3dnSAhUJgJAKHRG_BIsQjRwIBw&url=https%3A%2F%2Famenteemaravilhosa.com.br%2Fum-dia-menos-um-dia%2F&psig=AFQjCNFtAEl47XRn5K4aSOvNQFbl-d-KCQ&ust=1489709156392153


segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Nunca é tarde demais!



Nunca é tarde demais!

Se observarmos as vidas de muitos dos grandes líderes da história, verificaremos a maioria deles não deram início a suas carreiras até meados dos quarenta e poucos anos de idade. Na verdade, muitas pessoas que tiveram realizações das mais grandiosas e positivas neste mundo estavam vivendo vidas completamente diferentes, até que deram uma virada neste período da vida e fizeram uma mudança.

Esta semana nos desafia – não importa nossa idade ou a distância que pensemos ter percorrido espiritualmente – a romper com nossa zona de conforto e aceitar a responsabilidade de revelar a Luz que viemos compartilhar neste mundo com toda a humanidade.


*Vamos pensar! Vamos agir! * #RumoAos40 

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Qual a cor do seu gramado?



Por Anderson Tomio 

Não adiante olhar para o lado ou buscar olhar para fora agora,
O melhor a fazer é olhar para dentro, buscar sem ir longe o mundo ao redor,
Aquele em que convivo e as pessoas que me cercam.
Mas então não irei muito longe? Irá sim! Mas nossa “viagem” é buscar o que somos e porque sendo o que sou convivo com pessoas que me reprovam o tempo todo?
Esse é o ponto!
As pessoas com que eu convivo, com quem convivemos no dia a dia, não fora, mas no núcleo familiar, ou que seja na casa que moro, no apartamento que eu divido, essas são as peças chaves para meu entendimento, do que sou e muito porquês de minha vida.
Já percebeu que os primeiros a nos criticar e chamar nossa atenção são os pais? Na ausência deles, vêm os avos e os tios e em muitos casos os irmãos.
Porque será que estas pessoas me repreendem, ou me chama atenção com o que eu faço no meu dia? Já parou para pensar?
Pode ser por falta de interesse por algo, por desleixo, por ansiedade, por atitudes ou por formas de pensar, mas algo incomoda quem está por perto e ser repreendido é uma forma de dizer que eu me importo com você, que quero seu bem e indo além que sinto amor e preso pelo seu melhor.
Há algum erro nisso? Claro que não! Há acertos!
Como assim acertos? Pense comigo!
Você chamaria atenção e cuidaria do que o outro faz se este outro não representasse nada para você? Em minha opinião quem ama cuida e quer o melhor.
Mas o que é o melhor? Podemos ir bem além nesse pensamento.
O melhor é querer que o outro faça aquilo que eu acredito ser o melhor, que seja correto e o que nossa sociedade quer de nós.
Então querer o melhor é fácil, e ceder ao outro fazendo o que ele quer, porque sei que ele quer meu melhor é mais fácil ainda, pois será um ganho com todos os acertos. Certo? Errado!
Ser o melhor para o outro nem sempre é ser o melhor para você mesmo, ou você nunca se pegou pensando consigo ao receber ordens, Aff que coisa chata.
Ai está outro ponto da questão.
O primeiro falei que é o convívio com as pessoas, e este agora é conviver sendo eu mesmo.
Difícil? E é mesmo. Conviver não é fácil!
Ai me pergunto: Porque eu tenho que conviver com essas pessoas e porque eu fui estar nessa família, nesse convívio?
Pense! O porquê será?
Muitos dirão que é porque é minha família, porque moro nessa casa, porque tenho laços de sangue ou laços afetivos. Tudo bem! É um bom motivo! Mas já pensou de uma forma ampla?
Observando o que você chama atenção, o que reprova nos outros, e o que cada um dos outros reprova e aprova em você? Tentou alguma vez colocar isso numa roda de convivência?
Tipo: Eu gosto e não gosto disso e daquilo no “fulano” que não gosta e gosta disso em mim, que não gosta e gosta disso e daquilo no ciclano. Ou seja: Estamos sempre a mercê de aprovação e reprovação do outro.  A vida não é diferente!
Mas neste momento, olhemos somente ate o limite de nossa porta, ou janela. Ficamos dentro!
Porque não olhar além e ver o que há lá fora? Outro ponto!
Lembram-se do ditado: “A grama do vizinho sempre é mais verde”?
Por este motivo, que olha para fora pode causar revoltas no seu “espaço”, no convívio dentro.
E vem a mãe, o irmão o pai, com aquelas comparações. “O filho do vizinho é tão estudioso, nossa passou de ano direto, enquanto você está fazendo provas de recuperação".
Ou ainda, o marido da vizinha é tão gentil, ele sempre carrega as compras e abre o carro para ela entrar.
Ai pergunto para lembrar: Qual a cor da grama do vizinho mesmo?
Verde!
Sim bem isso, verde. E pode ser mais verde que a sua por ser artificial!
Não precisamos de comparativos, não precisamos ser diminuídos, mas sim exaltados. Eu posso ser disperso em assuntos, mas sei muito bem fazer cálculos considerados difíceis. Todos têm qualidades e os tão notados defeitos.
Mas voltamos aos pontos já citados.
A convivência!
Já percebeu que nossa grama pode ser super verde também para o vizinho?
E assim sempre vai ser até que esta fazendo parte do nosso convívio.
Logo, todos convivemos em locais, lares, que sempre haverá diferenças. Umas mais notáveis, outras nem tanto, mas sempre com pontos a serem chamados atenção e repreendidos.
E tenho que me acomodar com isso?
Não! Mas não custa perceber que onde você convive estão as pessoas, as peças, mais importantes para seu crescimento. Lembra-se do quem ama cuida? Pois bem seria difícil eu me importar tanto com você se não tivéssemos algum laço. A convivência, o sangue, a afetividade essas nos unem.
Logo, se analisarmos todo esse contexto, convivemos com quem tem mais a aprender conosco e a nos ensinar. O núcleo familiar é um dos maiores laboratórios humanos que existem, não sendo superado por nenhum show de realidade televisivo.
No convívio familiar as coisas são bem mais extremas. As raivas são raivas e os risos são risos. Ou seja, quando sinto raiva de alguém é aquela raiva de querer ver a pessoa sumir, mas o que me une a ela, faz com que logo estaremos juntas novamente. Mas você pode me perguntar: Sim eu posso ficar sem falar com meu irmão por 10 anos em uma briga. Mas ele nunca deixara de ser seu irmão. Agora ente ficar sem falar por três anos com um amigo, quando tentar falar, ou não terá o amigo ou amizade será fria. Já o calor de um laço de irmão ele não esfria, mesmo no tempo, seremos irmãos.
Em resumo, quem convive conosco é quem mais tem que lapidar e ser lapidado. A família começa com “carvão” e temos o hoje ou amanha para a chance de ser diamante.
Pode observar em sua família. O preconceito do pai é o estilo de vida do filho, os temores dos filhos, são as liberdades dos pais e por diante. Tanto apontamos no outro aquilo que nos incomoda, mas se incomoda pode ser por não termos a coragem ou não sermos como tal.
Já ouviram a frase clássica "há meus 18 anos”. Que pai ou mão nunca disse isso? Justamente pelo fato de que naquele tempo se permitiam mais do que hoje e quando seus filhos se permitem esses são rebeldes.
Logo e logo assunto.
Mas o certo é, nossa grama tem cor, a do vizinho não importa e quem convive comigo é porque tem muito aprender e também muito a me ensinar.

Encontre a harmonia entre esses dois pontos e terás uma família feliz!

____
Imagem:https://www.123rf.com/photo_31574495_small-grey-house-with-wooden-deck-front-yard-with-flower-bed-and-lawn.html

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Oi...Quero dividir minha alegria com você....



Anderson Tomio
Oi... QUERO DIVIDIR MINHA ALEGRIA COM VOCÊ...

Dizer que você tem me dado um chão que não tinha,
que já faço algumas coisas pensando em você,
em dividir com você, compartilhar os meus momentos,
e dando um pouco do meu melhor.

Deixo de lado as coisas ruins,
delas falamos somente para desabafar,
não vale a pena cultivá-las,
mas vale relembrar como aprendizado.

A vida é para isso mesmo!
Estamos aqui para aprender,
  para hora cairmos, mas sempre levantarmos,
olhar o horizonte,
ver o sol, ver o futuro,
e sempre seguir adiante.

Já parou pra pensar o que de bom já
temos pra contar nesse tempo?
O nosso livro de vida,
está em constante grafia,
em constante registro
de imagens, de vivências,
e fico feliz,
por saber que tem algumas páginas
onde você já está se fazendo presente.

Algumas citações boas que fizemos,
outras nem tanto, mas reflexivas.
Faz parte!
Uma historia sem suspense,
sem alguns rompantes de adrenalina,
não é uma boa história.

Fica chata e deixamos de lado,
o livro empoeira e perde a graça.

A vida, o livro, não é assim,
não pode ser assim,
se não mesmo no prefácio,
já seremos curiosos o bastante,
ou mesmo teimosos para
pular tudo e buscar fim.

Sem graça não é mesmo?
 Logo de cara se sabe o final,
nada foi vivido,
nem tristeza, nem alegria,
não houve emoção e nem surpresa,
e o livro acaba.

Sem graça total.
Mas hoje vejo que já tenho
muita coisa escrita,
o prefácio, e um capitulo em construção,
mas que capitulo heim!
Já teve suspense logo nas primeiras linhas,
em saber o que seria o amanhã,
e momentos de puro êxtase,
de alegria e leveza,
outros de choro e melancolia.
Está sendo uma bela história!

Estamos fazendo terapia em dupla
eu sou teu terapeuta,
e você a minha.
Eu sou seu "médico”,
e você a minha.
Já fizemos vários papéis,
de desbravadores,
de amigos, de amantes,
de enamorados,
merecemos um ÓSCAR!

Aprendemos e se ainda não sabemos,
estamos aprendendo, a viver.
Somos crianças descobrindo o mundo,
carregando nossos brinquedos,
todos de uma só vez,
infelizmente algumas coisas
não temos força suficiente para carregar,
mas que bom que existe mais pessoas
nesse imenso "Play" que é a vida.
Encontramos, amigos que podem  nos
ajudar carregar o que já escorregava por entre os dedos,
e a diversão se completa.
Olhar o outro, silenciar
sorrir e entender tudo que se passa,
sentir no rosto a brisa ,
e no momento de alegria e gratidão
nos percebemos ao sabor do vento
que estamos vivos,
que somos queridos
que somos pessoas com valor,
que fazem a diferença
na "brincadeira" do outro,
tornando a vida mais interessante,
mais atrativa e feliz.


Na sinopse dessa história,
um obrigado,
porque tenho aprendido muito com você!

Admiro suas lutas, me identifico com várias delas,
e a sua força que serve de exemplo pra mim.
As metas, rumos traçados e já muitos
deles alcançados.
Obrigado por fazer parte do meu livro,
obrigado por fazer parte da minha história,
e de nela estar dando doses de
muita vontade de superar tudo que há
de ser superado.
Pode não parecer, mesmo que você não perceba,
mas já se deu conta da força que tem?
dos exemplos que está passando?

Pois bem, eu já me dei conta sim,
 e se  não o tivesse feito,
de nada valeria todas essas palavras.

É com carinho que as escrevo

Beijo no coração!


____
imagem:http://30ealguns.com.br/pode-parecer-cliche-amigo-nao-compra/

Indo além!




Abri a porta e deixei todo silêncio que vinha do corredor entrar. Não levantei se quer os pés para ir além do beiral que demarcava onde era casa onde era rua, permaneci ali a espera de um vento que me levasse pelo ar. Pairei!
Observei de longe o que se movimentava no espaço e reluzia luz em minha direção,
Era o sol, que sem a companhia do vento frio me aquecia mais rápido.
Inclinei meu corpo para fora e os ecos do silencio vieram em minha direção, e ao chegar em meus ouvidos, percebi que o som que ecoava pelos corredores em penumbra era vozes de um desconhecido lamento. Busquei refugio momentâneo dentro de meu claustro e não quiser saber o que dissera, mas o eco veio mais forte fazendo com que um agudo som permanecesse em meu ouvido por alguns instantes que pareciam não ter fim.
Dei passos, encarei o corredor de frente e parti. Fui adiante sem saber o que me aguardava a cada novo passo que eu dava rumo ao desconhecido.
Como assim desconhecido se sei bem onde moro, onde estou e que lugar é este?

Sim eu sei, mas sabia antes que a penumbra tivesse chegado a mim. A partir dai era outra circunstancia de vida, outro momento que só me dei conta de sua totalidade quando senti que meus pés não tocavam de fato o chão, mas mesmo assim eu os ainda sentia sob mim.  Na fé e na coragem segui e buscando a luz fui adiante.

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

E veio a saudade!


Por Anderson Tomio

E de repente veio a saudade do tempo,
Do  tempo em que brincava na rua até escurecer e ia para a escola junto com amigos pelo caminho;
Daquele tempo em que acordava de manhã cedo e corria para sala com o cobertor para assistir desenho;
Do tempo em que quando meus amigos não podiam brincar eu brincava assim mesmo e conversava com meus bonecos e carinhos;
Daquele tempo em que eu via as meninas colecionando papel de carta perfumado e nós meninos nas figurinhas do time preferido;
Do tempo em que na hora do recreio, era só correria e bate papo, com muita brincadeira em grupo;
Daquele tempo em que aguardava com ansiedade as férias da escola, para ir para casa de alguma tia passar uns dias e brincar com os primos;
Do tempo em que o item obrigatório para ir para escola era o uniforme, o material e aquela lancheira com o sanduíche e a garrafinha de nescau;
Daquele tempo em que uma bronca era uma bronca e pronto!
Do tempo em que o ludo, a dama  e o pega varetas era nossos melhores brinquedos;
Daquele tempo em que no sete de setembro saiamos para marchar e ensaiávamos alguns meses antes com a fanfarra da escola;
Do tempo em que passar da 4ª para a 5ª série já era se sentir grande, com a novidade da troca de professores a cada 45 minutos;
Daquele tempo em que fazer pesquisa e trabalho escolar, era reunir um grupo e ficar envolto de livros e revistas, e por as ideias em papel almaço, fazer a capa o cartaz e ter frio na barriga para apresentar para turma;
Do tempo em que os passeios de domingo era na casa da vó e do Vô;
Daquele tempo em que as festas de igreja era um momento magico, para brincarmos no parquinho e comprar algum brinquedo nas barraquinhas;
Do tempo em que ir ao centro da cidade com os pais, era pedido certo de um pastel e uma laranjinha;
Daquele tempo em tínhamos hora para dormir e tinha até programas que davam boa noite para as crianças lembrando do horário;
Do tempo em que escutar música era muitas vezes rebobinar a fita com a caneta, desenrolar do cabeçote ou até ligar na radio e pedir, dizendo que era para gravar;  
E veio a saudade, mas não vieram os momentos, os momentos se foram, as lembranças ficaram e nos damos conta que nada volta no tempo.
O tempo passa, as coisas mudam, e no que chamamos de evolução,  o passado se perde e com ele a liberdade de ser criança.
O hoje será o “daquele tempo” daqui alguns anos e me pergunto, como e o que recordaram as crianças de hoje. Recordarão que a liberdade que eles acreditam ter para fazerem suas coisas, é a mais vigiada, a mais complicada e insegura de todos os tempos?

O tempo pode passar, as lembranças muitas vezes não veem, mas o valores morais, esses são atemporais  e devem permanecer. Oh saudade!!! 

___________
Imagem: http://quintalestudante.blogspot.com.br/2013/03/parabens-colegio-fayal-12-de-abril-51.html

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Mistério da Porta!



O grande mistério que há do outro lado da porta,
quem terá coragem de abrir ou de ir além dando passos firmes de um aventureiro, quem irá?
A porta que tudo divide, separa, tranca e protege de uma invasão, ela somente ela a porta.
Quem poderia imaginar que ela abre ou fecha o mundo de quem nela passa ou fica.
Crio ao meu redor o meu mundo, me isolo e comigo só pensamentos e músicas,
mas nada me dá tanta segurança do que o som da porta que fecho.
Na fechadura a chave que bloqueia, mas que solta o que me prende.
Faz de  poucos metros quadrados o  meu claustro, eu ser eu mesmo,  e ser só.
Assim é, um refugio para as tempestades do mundo,
um sarcófago para os dias em que a alma perece.
O mundo que cobra sua presença é o mesmo que te isola!
Abro algumas portas, passo e vou adiante, para outras passagens eu fecho
crio labirintos de acesso que poucos conseguem percorrer até o fim.
Sou eu meu enigmas e meu ser!
Olho pelo olho mágico que me dá a visão além dessa matéria,
ali ouço a voz interior que me diz se devo ou não abrir,
e se o faço é na confiança e no bem querer,
se não, ainda me certifico que está bem trancada.
A porta, ela por si só ou inúmeras portas que eu crio,
seja qual for, delas somente eu sei quando abrir.
E se teimo em fechar, pelo som de quem bate fica a vontade de abrir.
E se assim for...bata e  faça parte do meu mundo!

_______
Imagem: site pisos paraná