Seguidores

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Mistério da Porta!



O grande mistério que há do outro lado da porta,
quem terá coragem de abrir ou de ir além dando passos firmes de um aventureiro, quem irá?
A porta que tudo divide, separa, tranca e protege de uma invasão, ela somente ela a porta.
Quem poderia imaginar que ela abre ou fecha o mundo de quem nela passa ou fica.
Crio ao meu redor o meu mundo, me isolo e comigo só pensamentos e músicas,
mas nada me dá tanta segurança do que o som da porta que fecho.
Na fechadura a chave que bloqueia, mas que solta o que me prende.
Faz de  poucos metros quadrados o  meu claustro, eu ser eu mesmo,  e ser só.
Assim é, um refugio para as tempestades do mundo,
um sarcófago para os dias em que a alma perece.
O mundo que cobra sua presença é o mesmo que te isola!
Abro algumas portas, passo e vou adiante, para outras passagens eu fecho
crio labirintos de acesso que poucos conseguem percorrer até o fim.
Sou eu meu enigmas e meu ser!
Olho pelo olho mágico que me dá a visão além dessa matéria,
ali ouço a voz interior que me diz se devo ou não abrir,
e se o faço é na confiança e no bem querer,
se não, ainda me certifico que está bem trancada.
A porta, ela por si só ou inúmeras portas que eu crio,
seja qual for, delas somente eu sei quando abrir.
E se teimo em fechar, pelo som de quem bate fica a vontade de abrir.
E se assim for...bata e  faça parte do meu mundo!

_______
Imagem: site pisos paraná

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Voce não é todo mundo.(texto de Claudia Rodrigues)


O texto abaixo é de autoria de Claudia Rodrigues, e chegou até mim através de um compartilhamento de uma amiga via facebook. O nome da pagina  é "Você não é todo mundo" o link do face está abaixo desta postagem.

Agora basta relaxar e aprender muito com este texto. Boa Leitura!



Ensinem suas filhas e filhos a pegar ônibus logo cedo, primeiro com vocês, depois sozinhos. Eles vão precisar disso um dia na adolescência ou na vida adulta e mesmo que você seja muito rico e pense que não precisarão, não há como ter certeza. Se nunca andaram, terão tendência a ficarem abobalhados, pouco espertos e mais propensos a sofrerem assaltos ou atropelamentos.

Ensinem seus filhos e filhas a andar a pé, porque só se aprende a atravessar ruas andando a pé. Bicicleta só para recreação, com você carregando o malinha e sua mala rampa acima, não vai dar boa coisa. Molequinhos e molequinhas precisam saber ir e voltar. Carregarem seus casaquinhos, bonequinhas e carrinhos faz parte da missão: mãe e pai não são cabides.

Ensinem suas filhas e filhos desde bebês a descascar bananas, maiorezinhos devem saber comer maçã sem ser picada, devem aprender a espremer um suco no muque, usar garfo e faca, colocar a roupa suja no cesto, lavar, secar e guardar louça. Assim não serão os malas na casa da tia no dia do pijama. No mínimo.

Ensinem seus filhos e filhas adolescentes a lavar o próprio par de tênis, lavar, pendurar, recolher e dobrar roupas, cozinhar algo básico, trocar lâmpadas e resistência do chuveiro. Ensine que isso pode não ser prazeroso como tomar um sorvete ou jogar no celular, mas é importante e necessário.

Ensinem suas filhas e filhos a plantar, colher e entenderem a diferença entre um pé de alface e um pé de couve. Você pode não acreditar, mas por falta de ensinamentos básicos muita criança se cria achando que leite é um produto que nasce em caixas. Isso não é engraçado, é um efeito colateral involutivo do nosso tempo.

Não tema o fogo, o fogão, a chaleira nas mãos dos coitadinhos. Se você não ensinar, eles vão fazer muita bobagem e vão se queimar. Educar é confiar nas capacidades e na inteligência deles. É mostrar perigos e ensinar a lidar com perigos.

Eduquem seus filhos para a vida, para capacidades. Prazer não precisa ser ensinado, é um benefício, um privilégio. Ter empregada doméstica em casa não deve ser visto e sentido como alguém que vem acoplado ao lar, quase uma "coisa" um "objeto humano" de limpar e organizar sem parar.

Essas não são dicas moralistas. Educar para a solidariedade é um ato até egoísta e nada poético. Ao ensinar coisas básicas de sobrevivência aos filhos, estamos promovendo confiança e capacidade, auto-estima, senso de dever e responsabilidade.

Evite produzir e multiplicar pessoas que um dia serão adultos entediados, mimados que acharão eternamente que vieram ao mundo a passeio, sem a menor noção do que é resiliência, inaptos para cuidar de si mesmos e de outros, caso se multipliquem preguiçosamente.

A vida pode ser bela, a vida pode não ser dura para herdeiros, mas ela cobrará sempre, de qualquer um de nós, firmeza e força de vontade. Isso não é nato, depende de adversidades e luta pela sobrevivência e nada tem a ver com capacidade de apertar um botão ou deslizar os dedões no Iphone.

Cláudia Rodrigues